Internistas querem apostar em mais estudos sobre a especialidade
DATA
27/05/2019 11:02:28
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Internistas querem apostar em mais estudos sobre a especialidade

O 25º Congresso Nacional de Medicina Interna organizou uma sessão centrada no tema da produção da Medicina Interna em Portugal. Luís Campos, internista com mais de 40 anos de experiência e membro da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna, será o especialista responsável por presidir esta sessão.

“A produção da Medicina Interna carateriza-se pelo levantamento de toda a atividade realizada pelos médicos desta especialidade no contexto hospitalar. Este processo pode ser concretizado através de estudos centrados em áreas de foco da Medicina Interna, como é o caso dos internamentos. Neste caso em concreto, importa tentar saber quantos doentes estão internados nos Serviços de Medicina Interna, quais as suas caraterísticas, quais as doenças mais frequentes, entre outros tópicos”, explica Luís Campos.

No entanto, o especialista alerta para o facto de que a Medicina Interna não se deve limitar apenas aos internamentos: “os internistas também têm atividades de consulta (da especialidade ou diferenciada de outro tipo de doença), responsabilidade no atendimento nos serviços de urgência, assim como atividades de formação e de investigação”.

Segundo o especialista, o objetivo desta componente de análise da especialidade “passa por demonstrar a importância do trabalho desenvolvido pelos internistas, assim como representar o seu peso nos doentes tratados nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas