Morreu Robert Martins, um dos pais da Reumatologia Portuguesa
DATA
08/05/2019 11:47:31
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Morreu Robert Martins, um dos pais da Reumatologia Portuguesa

Considerado um dos pais da reumatologia portuguesa, o médico Robert Martins faleceu aos 94 anos.

Um entusiasta estudioso das doenças reumatológicas, deixa o seu cunho pessoal na medicina nacional através da sua luta pelo reconhecimento da Reumatologia como uma especialidade e pela criação da Sociedade Portuguesa de Reumatologia de que foi um dos eméritos fundadores.

Luís Cunha Miranda, atual presidente da Sociedade Portuguesa de Reumatologia, lamentou a perda deste ilustre reumatologista e homenageou o trabalho que desenvolveu em prol da medicina, da reumatologia e da sociedade. “Hoje a reumatologia ficou mais pobre. A morte do Dr. Robert Martins é uma perda que marca a medicina, mas também toda a sociedade”, afirmou Luís Miranda da Cunha. “Dotado de uma inteligência viva, de uma visão crítica da reumatologia e de uma grande capacidade de trabalho, o Robert Martins foi um dos grandes protagonistas dos esforços que levariam ao reconhecimento da especialidade e ao nascimento da Sociedade Portuguesa de Reumatologia”.

Fez parte da primeira direção da Sociedade Portuguesa de Reumatologia, em 1972, como secretário-geral. Anos mais tarde foi presidente da SPR, da Liga Portuguesa contra as Doenças Reumáticas e do Colégio de Reumatologia da Ordem dos Médicos.

Em 2012, foi homenageado com o lançamento do livro "Sociedade Portuguesa de Reumatologia: Uma História com 40 Anos (1972-2012)", que lhe foi dedicado.

A Sociedade Portuguesa de Reumatologia lamenta a perda daquele que foi alma da SPR e um dos elementos mais importantes da reumatologia portuguesa, e expressa o seu profundo agradecimento por todo o trabalho que o Robert Martins desenvolveu ao longo da sua longa carreira como médico e pelo papel que desempenhou na sociedade enquanto um dos nomes mais emblemáticos da reumatologia nacional.

O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo
Editorial | Jornal Médico
O Novo Livro Azul tem um passado e um futuro a defender e a promover num novo ciclo

O Novo Livro Azul da APMGF é um desejo e uma necessidade. Volvidos 30 anos é fácil constatar que todos os princípios e valores defendidos no Livro Azul se mantêm incrivelmente atuais, apesar da pertinência do rejuvenescimento que a passagem dos anos aconselha. É necessário pensar, idealizar e projetar a visão sobre os novos centros de saúde, tendo em conta a realidade atual e as exigências e necessidades sentidas no futuro que é já hoje. Estamos a iniciar um novo ciclo!

Mais lidas