Médicos debatem relação da doença renal com o VIH
DATA
04/02/2019 12:28:23
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Médicos debatem relação da doença renal com o VIH

O Núcleo de Estudos da Doença VIH (NEDVIH) da Sociedade Portuguesa da Medicina Interna (SPMI) vai realizar no próximo dia 9 de fevereiro, no Centro Cultural de Cascais, uma reunião dedicada à patologia renal no doente com infeção VIH. Esta é a segunda sessão do ciclo de reuniões temáticas “VIH e doença de órgão – O desafio a longo prazo”.

Segundo o internista e coordenador do NEDVIH, Telo Faria, “o VIH não é apenas uma infeção viral do sistema imunológico. É uma doença sistémica e complexa, cada vez mais associada a comorbilidades, como a doença renal crónica, que acompanham o aumento da sobrevida e da idade média da população com VIH, ambas consequência da maior facilidade no controlo virológico desta infeção”.

Neste âmbito, explica o especialista, “projetámos uma reunião temática onde fosse possível fazer uma retrospetiva histórica da evolução da doença renal e do transplante renal associados ao VIH, apresentar uma proposta de algoritmo de avaliação da doença renal no doente com infeção VIH, e expor quatro casos clínicos que serão discutidos por internos de Medicina Interna e médicos nefrologistas”.

O ciclo de reuniões temáticas “VIH e doença de órgão – O desafio a longo prazo” é uma iniciativa dirigida a todos os profissionais de saúde e elementos das organizações de base comunitária, que acompanham e/ou tratam pessoas com infeção VIH. Estão ainda a ser planeadas mais quatro sessões: Patologia Cardiovascular (abril), Patologia Metabólica (junho), Doença Mental e Neurocognitiva (setembro) e Doença Neoplástica (novembro).

As inscrições para a reunião estão abertas até ao dia 5 de fevereiro  e podem ser feitas aqui.  

Crónicas de uma pandemia anunciada
Editorial | Jornal Médico
Crónicas de uma pandemia anunciada

Era 11 de março de 2020, quando a Organização Mundial de Saúde declarou o estado de Pandemia por COVID-19 e a organização dos serviços saúde, como conhecíamos até então, mudou. Reorganizaram-se serviços, redefiniram-se prioridades, com um fim comum: combater o SARS-CoV-2 e evitar o colapso do Serviço Nacional de Saúde, que, sem pandemia, já vivia em constante sobrecarga.

Mais lidas