OCDE: Portugal gastou cerca de 6,6 mil ME com saúde mental em 2015
DATA
22/11/2018 12:27:07
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



OCDE: Portugal gastou cerca de 6,6 mil ME com saúde mental em 2015

Portugal gastou, em 2015, cerca de 6,6 mil milhões de euros com problemas de saúde mental, o que representa 3,7% do Produto Interno Bruto (PIB).

De acordo com o relatório “Health at a Glance: Europe 2018 – State of health in the EU cycle”, divulgado hoje em Paris, os custos estimados mais elevados estão relacionados com o mercado de trabalho (menor emprego e menor produtividade), atingindo cerca de 2,9 mil milhões de euros. 

Já os custos estimados com o sistema de saúde em Portugal totalizam cerca de dois mil milhões de euros e com a Segurança Social cerca de 1,7 mil milhões de euros, adianta o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Segundo o documento, Portugal é o quinto país da OCDE com mais pessoas com problemas de saúde mental (18,4%). A Alemanha encontra-se entre os países que mais gasta nesta área, com 146,5 mil milhões de euros (4,8% do PIB), a par do Reino Unido, com custos na ordem dos 106 mil milhões de euros (4,17% do PIB), segundo as estimativas. Em França, os problemas de saúde mental representam um custo de 81,3 mil milhões de euros (3,7% do PIB) e, em Espanha, cerca de 45 mil milhões (4,1% do PIB).

“Os custos totais dos problemas de saúde mental nas economias da União Europeia são enormes”, afirma o documento, salientando que estas doenças afetam 84 milhões de pessoas na UE.

Os problemas de saúde mental também resultam em “custos substanciais em termos de prestações de segurança social” e tem “impactos negativos no mercado de trabalho em termos de redução do emprego e da produtividade”, sublinha o documento.

Estima-se que, em 2015, os custos gerais relacionados com a saúde mental tenham excedido 4% do PIB nos 28 países da União Europeia, o que equivale a mais de 600 mil milhões.

“Apesar de serem custos consideráveis, são ainda uma subestimativa significativa, uma vez que vários custos adicionais não foram tidos em conta”, como despesas sociais, maiores custos de tratamento de uma doença física, se o paciente também tem uma doença mental, ou horas de trabalho perdidas pelos cuidadores.

Os custos estimados relacionados a problemas de saúde mental variam entre 2% a 2,5% do PIB na Roménia, Bulgária e República Checa, até mais de 5% do PIB na Dinamarca, Finlândia, Países Baixos e Bélgica.

"Estas variações são impulsionadas principalmente pela percentagem de pessoas que relatam problemas de saúde mental", um valor que pode ser subestimado em países onde "há um forte estigma associado a problemas de saúde mental".

De acordo com as últimas estimativas do Instituto de Métricas de Saúde e Avaliação, mais de uma em cada seis pessoas nos países da UE (17,3%) tinha um problema de saúde mental em 2016.

O distúrbio mental mais comum é a ansiedade, que se estima afetar 25 milhões de pessoas (5,4% da população), seguido da depressão, que atinge mais de 21 milhões de pessoas (4,5%).

As doenças mentais graves, como transtornos bipolares, afetam quase 5 milhões de pessoas (1,0% da população), enquanto a esquizofrenia atinge 1,5 milhões de pessoas (0,3%).

A prevalência estimada destes problemas é mais alta na Finlândia, Países Baixos, França e Irlanda com taxas de 18,5% ou mais da população com pelo menos um distúrbio, e menor na Roménia, Bulgária e Polónia (com taxas inferiores a 15%).

A mudança necessária
Editorial | Jornal Médico
A mudança necessária

Os últimos meses foram vividos por todos nós num contexto absolutamente anormal e inusitado.

Atravessamos tempos difíceis, onde a nossa resistência é colocada à prova em cada dia, realidade que é ainda mais vincada no caso dos médicos e restantes profissionais de saúde. Neste âmbito, os médicos de família merecem certamente uma palavra de especial apreço e reconhecimento, dado o papel absolutamente preponderante que têm vindo a desempenhar no combate à pandemia Covid-19: a esmagadora maioria dos doentes e casos suspeitos está connosco e é seguida por nós.

Mais lidas