Cabo Verde: Cobertura de vacinação contra sarampo e rubéola atinge 94,6%
DATA
21/11/2018 11:25:22
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Cabo Verde: Cobertura de vacinação contra sarampo e rubéola atinge 94,6%

A cobertura da campanha de vacinação contra o sarampo e a rubéola em Cabo Verde atingiu os 94,6%, revelou o ministro da Saúde cabo-verdiano.

Em declarações aos jornalistas, Arlindo do Rosário mostrou-se bastante satisfeito com os resultados da campanha vacinal, que decorreu recentemente no arquipélago.

“Obtivemos uma taxa de vacinação de 94,6% a nível nacional”, afirmou, ressalvando, no entanto, que os números não são iguais em todos os concelhos. Por exemplo, a cidade da Praia, que inicialmente registava maiores dificuldades, terminou a campanha com uma taxa de cobertura de 97,3%.

“Consolidámos o que já tínhamos relativamente à cobertura de rotina do sarampo, superior a 95%”, adiantou o ministro, manifestando-se empenhado para que Cabo Verde consiga a certificação de país livre do sarampo.

“Será, de facto, uma grande vitória e sucesso para a saúde de Cabo Verde”, frisou.

Recorde-se que a campanha nacional de vacinação contra o sarampo e a rubéola, desenvolvida pelo Ministério da Saúde e da Segurança Social, através do Programa Alargado de Vacinação (PAV), com o apoio do Instituto Nacional de Saúde Pública (INSP), da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), decorreu entre os dias 7 e 13 de novembro.

A vacinação incidiu sobre todas as crianças entre os nove meses e os quatro anos, 11 meses e 29 dias. O objetivo passava por eliminar o sarampo em Cabo Verde e na região africana, bem como a interrupção da transmissão do vírus da rubéola congénita.

Um ano depois…
Editorial | Susete Simões
Um ano depois…

Corria o ano de 2020. A Primavera estava a desabrochar e os dias mais quentes e longos convidavam a passeios nos jardins e nos parques, a convívios e desportos ao ar livre. Mas quando ela, de facto, chegou, a vida estava em suspenso e tudo o que era básico e que tínhamos como garantido, tinha fugido. Vimos a Primavera através de vidros, os amigos e familiares pelos ecrãs. As ruas desertas, as mensagens nas varandas, as escolas e parques infantis silenciosos. Faz agora um ano.

Mais lidas