Vila Real: Tratamentos de radioterapia retomados no centro de oncologia
DATA
03/09/2018 15:23:53
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Vila Real: Tratamentos de radioterapia retomados no centro de oncologia

O Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD) informou que o acelerador linear retomou hoje o funcionamento, após uma semana de inatividade devido a uma avaria.

Em comunicado, o CHTMAD garantiu que o equipamento está “em pleno funcionamento desde hoje, tendo os doentes já iniciado ou retomado os tratamentos”.

O serviço de radioncologia deste centro hospitalar trata cerca de 68 doentes por dia, sendo deste equipamento considerado “imprescindível para prestar os cuidados de saúde necessários à população com patologia oncológica e indicação para radioterapia”.

“Apesar do sucedido, garantimos que todos os esforços foram feitos para que os tratamentos aos doentes fossem retomados com a maior brevidade possível”, salientou a administração do CHTMAD.

O problema técnico no acelerador linear foi detetado no decorrer de uma manutenção programada que arrancou no passado dia 23 de agosto.

Recorde-se que, na passada sexta-feira, os deputados do PSD questionaram o Ministério da Saúde sobre esta avaria, pedindo esclarecimentos acerca da aquisição de um segundo equipamento.

O CHTMAD tem reivindicado a aquisição de um segundo acelerador linear, cujo objetivo será reforçar a capacidade de resposta da unidade de radioterapia do centro oncológico.

Note-se que este equipamento, com um custo de cerca de os cinco milhões de euros, permitirá introduzir novas técnicas de tratamento.

Um ano depois…
Editorial | Susete Simões
Um ano depois…

Corria o ano de 2020. A Primavera estava a desabrochar e os dias mais quentes e longos convidavam a passeios nos jardins e nos parques, a convívios e desportos ao ar livre. Mas quando ela, de facto, chegou, a vida estava em suspenso e tudo o que era básico e que tínhamos como garantido, tinha fugido. Vimos a Primavera através de vidros, os amigos e familiares pelos ecrãs. As ruas desertas, as mensagens nas varandas, as escolas e parques infantis silenciosos. Faz agora um ano.

Mais lidas