FNAM exige transparência na atribuição de vagas
DATA
15/06/2018 10:38:17
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



FNAM exige transparência na atribuição de vagas

A Federação Nacional dos Médicos (FNAM) exige a transparência na atribuição de vagas, após tomar conhecimento do mapa de vagas para o acesso às especialidades publicado pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS).

Em nota enviada ao Jornal Médico, a FNAM exige “responsabilidade aos serviços do Ministério da Saúde pela trapalhada criada e pela capacidade formativa desatualizada e desajustada das necessidades do país”.

Segundo a entidade sindical, “mais 700 médicos que ficarão de fora do acesso à especialidade, apesar de existir capacidade formativa e grandes carências de médicos”.

Esta terça-feira, dia 12 de junho, realizou-se um debate sobre as carreiras médicas, na Ordem dos Médicos (OM) do Porto, que ficou marcado pelo descontentamento dos médicos em relação às capacidades formativas, segundo os mesmos há “locais com mais capacidades formativas”, mas que não estão a ser aproveitados.

“A abertura de vagas é, em última instância, da responsabilidade da ACSS, tendo em conta as informações das capacidades formativas dos serviços e os pareceres dos diferentes colégios das especialidades”, pode ler-se na nota.

No entanto, a fonte sindical defende que a “informação da OM é de primordial importância e determinante para a elaboração do mapa de vagas”.

Por outro lado, a FNAM exige “transparência na atribuição de vagas de todas as especialidades, por parte dos colégios da Ordem e dos serviços, tornando públicas as capacidades dos serviços e as posições dos diferentes colégios em relação às mesmas, previamente à elaboração do mapa de vagas”.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.