Sociedade Portuguesa de Hipertensão rastreou mais de 800 pessoas
DATA
21/05/2018 16:02:02
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Sociedade Portuguesa de Hipertensão rastreou mais de 800 pessoas

A Sociedade Portuguesa de Hipertensão (SPH) associou-se, pela primeira vez, ao registo mundial de pressão arterial (HTA) coordenado pela Sociedade Internacional de Hipertensão, tendo feito um rastreio a mais de 800 pessoas.

May Measurement Month” (MMM – Maio, mês da medição) é uma iniciativa da Society of Hypertension (ISH), apoiada pela World Hypertension League (WHL), que tem como objectivo continuar a sensibilizar a população para a necessidade de medir a sua pressão arterial.

Para o presidente da SPH, Dr. Carvalho Rodrigues, “é um privilégio poder participar num programa desta dimensão que vai com certeza estabelecer bases sólidas para aumentar significativamente o entendimento e a consciencialização dos portugueses sobre a HTA”.

Esta campanha surge no âmbito das comemorações do Dia Mundial da Hipertensão (DMH), efeméride assinalada no dia 17 de maio, cujo lema é “Conheça os seus valores. Controle a sua pressão arterial”. Note-se que esta patologia afeta 42% dos portugueses.

“Em Portugal, apesar de quase 75% dos doentes estarem medicados, ainda só se atingiu 42% do controlo da doença, facto que se deve sobretudo ao não cumprimento rigoroso da medicação” refere o presidente da SPH.

Dr. Carvalho Rodrigues alertou ainda para a importância do controlo da HTA, que deve ser feito através da medição da pressão arterial, “mas também através do cumprimento rigoroso da medicação prescrita pelo médico”, algo que nem sempre acontece.

“Muitos doentes não cumprem a medicação ou abandonam a mesma o que, por conseguinte, vai dificultar o controlo da doença. Largar a medicação porque já se está bem ou porque não se sentiu bem com os comprimidos ou ainda porque se sente bem com a tensão alta são dos mitos e equívocos responsáveis pelo abandono do tratamento para a HTA”, alerta.

A mudança necessária
Editorial | Jornal Médico
A mudança necessária

Os últimos meses foram vividos por todos nós num contexto absolutamente anormal e inusitado.

Atravessamos tempos difíceis, onde a nossa resistência é colocada à prova em cada dia, realidade que é ainda mais vincada no caso dos médicos e restantes profissionais de saúde. Neste âmbito, os médicos de família merecem certamente uma palavra de especial apreço e reconhecimento, dado o papel absolutamente preponderante que têm vindo a desempenhar no combate à pandemia Covid-19: a esmagadora maioria dos doentes e casos suspeitos está connosco e é seguida por nós.

Mais lidas