Hospital de Valpaços reabrirá após obras de 2,8 milhões de euros
DATA
20/04/2017 10:40:56
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Hospital de Valpaços reabrirá após obras de 2,8 milhões de euros

A Misericórdia de Valpaços lançou o concurso público para a remodelação e ampliação do hospital, encerrado desde 2011, pelo preço base de 2,8 milhões de euros, anunciou ontem a autarquia.

O projeto de reabertura do hospital de Valpaços resulta de um memorando de entendimento assinado entre a Santa Casa da Misericórdia, a câmara municipal e a Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-N).

De acordo com a autarquia, a proprietária da unidade de saúde - a Misericórdia -, lançou esta semana o concurso público para a sua remodelação e ampliação, pelo valor base de 2,8 milhões de euros.

“A nossa coesão e a nossa determinação são fatores decisivos para levar por diante os objetivos a que nos propusemos e é com enorme orgulho que participamos ativamente para que sejam criadas as condições necessárias para a reabertura do Hospital de Valpaços”, afirmou, em comunicado, o presidente do município, Amílcar Almeida.

As obras vão ser financiadas em 50% pela autarquia, sendo “um investimento que dá resposta à necessidade de prestação de serviços de saúde de proximidade aos valpacenses e que, certamente, incrementará os índices de empregabilidade no concelho”, salientou o autarca.

O hospital, que poderá reabrir dentro de dois anos, terá como valências uma unidade de cuidados continuados, unidade de medicina física e reabilitação, meios complementares de diagnóstico, internamento, bloco operatório, serviço de atendimento.

Neste momento, encontra-se em funcionamento a unidade de medicina física e reabilitação.

A Santa Casa de Valpaços celebrou em 1999 um contrato com uma empresa espanhola, a Lusipaços, para gerir o hospital até 2014.

Em tribunal está ainda um processo que opõe a Misericórdia à empresa que é acusada, pela instituição de solidariedade social, de gestão danosa e falta de pagamentos.

Apesar de ser privado, o hospital funcionava como se fosse público devido a um acordo que a Misericórdia mantinha com a ARS-N, o qual cessou em 2011.

O hospital acabou por fechar e, na altura, foram realizadas várias manifestações por parte da população local que exigia a sua reabertura.

Governação Clínica
Editorial | Joana Romeira Torres
Governação Clínica

O Serviço Nacional de Saúde em Portugal foi criado e cresceu numa matriz de gestão napoleónica, baseada numa forte regulamentação, hierarquização e subordinação ao poder executivo, tendo como objeto leis e regulamentos para reger a atividade de serviços públicos no geral, existindo ausência de regulamentação relativa à sua articulação com os serviços sociais e económicos.

Mais lidas