×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 34880
Relatório da DGS alerta: Ginecologia é especialidade “rara” nos CSP
DATA
17/01/2009 06:01:47
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Relatório da DGS alerta: Ginecologia é especialidade “rara” nos CSP

O relatório Centros de Saúde e Hospitais – Recursos e Produção do Serviço Nacional de Saúde (SNS) 2007, publicado no site da DGS, refere que houve um decréscimo no número de médicos em serviço nos CS: de 7.096, em 2006, para 7.033, em 2007

 

Nos 346 centros de saúde (CS) do país existiam apenas, em 2007, 14 ginecologistas/obstetras, oito estomatologistas, sete dentistas e o mesmo número de otorrinolaringologistas e psiquiatras, revela um relatório da Direcção-Geral de Saúde (DGS). O relatório Centros de Saúde e Hospitais – Recursos e Produção do Serviço Nacional de Saúde (SNS) 2007, publicado no site da DGS, refere que houve um decréscimo no número de médicos em serviço nos CS: de 7.096, em 2006, para 7.033, em 2007.Esta diminuição de médicos reflectiu-se nas especialidades disponíveis nos centros de saúde da seguinte forma: em 2006 haviam 20 dentistas, número que baixou para sete no ano a seguir; o mesmo se passou com os ginecologistas/obstretas, que eram 20 em 2006 e passaram a 14 em 2007.A pediatria foi outra especialidade que registou quebras no número de profissionais, tendo decrescido de 56 para 43, adianta o relatório da DGS, que indica ainda que existem apenas 22 oftalmologistas e 21 pneumologistas nos CS do país.No entanto, houve especialidades médicas que viram aumentar o número de médicos em 2007, nomeadamente os clínicos gerais (919, mais 58 que em 2006) e os dermatologistas, que passaram de 19 para 33. Segundo o relatório da DGS, foram dadas, nesse ano, 28.989.906 consultas nos centros de saúde, menos 648.727 do que em 2006. Nos hospitais também se registou uma ligeira diminuição no número de médicos especialistas, que baixou de 16.549 em 2006 para 16.485 no ano a seguir, sendo a ginecologia/obstetrícia a especialidade mais atingida, com 814 médicos em 2006 e 785 em 2007, seguindo-se a urologia (213 médicos em 2007, isto é, menos oito do que em 2006). As restantes especialidades viram aumentar o número de médicos nos hospitais. A nível de consultas de especialidade médica nos hospitais, em 2007, o relatório da DGS indica que foram registadas 5.719.257 consultas, mais 287.787 do que no ano anterior. A Medicina Interna foi a que registou o maior número de consultas (485.047), seguindo-se a psiquiatria (453.987) e a pediatria (424.662). Em 2007, foram realizadas 576.112 intervenções cirúrgicas, mais 25.989 do que no ano anterior.Foram ainda realizados 85.377 partos nos hospitais portugueses, dos quais 46.878 eutócicos (parto normal) e 27.295 cesarianas, que representaram 24 por cento dos partos realizados em Portugal nesse ano. De acordo com o relatório, 4.182 mulheres fizeram interrupção voluntária da gravidez (IVG).Em Outubro, a ministra da Saúde afirmou que o reforço de especialistas nas diversas áreas da medicina é uma das prioridades do Governo. “Colmatar a falta de especialistas é uma das nossas prioridades”, explicou Ana Jorge à margem da inauguração das novas instalações da Urgência de Pediatria do Hospital de Faro.De acordo com a ministra, para além da medicina geral e familiar, serão reforçadas também outras especialidades onde “existem grandes carências”, referiu, apontando os casos de obstetrícia, pediatria, ortopedia, urologia e anestesia.

You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade
Editorial | António Luz Pereira, Direção da APMGF
You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade

No ano de 2021, foram realizadas 36 milhões de consultas médicas nos cuidados de saúde primários, mais 10,7% do que em 2020 e mais 14,2% do que em 2019. Ou seja, aproximadamente, a cada segundo foi realizada uma consulta médica.