Displaying items by tag: gripe

[caption id="attachment_5416" align="alignleft" width="300"]gripedasaves No hospital, o homem registou febre, tendo a sua situação clínica estabilizado. Mais de 50 funcionários da instituição de saúde onde foi atendido estão a ser monitorizados caso registem algum sintoma de gripe.[/caption]

Um homem de 86 anos foi diagnosticado em Hong Kong com a estirpe H9N2 da gripe aviária, tendo este sido o primeiro caso do género detectado em quatro anos na antiga colónia britânica, informou há dias a imprensa local.

O homem, natural de Hong Kong e residente na cidade chinesa vizinha de Shenzhen, atravessou no sábado a fronteira para a Região Administrativa Especial chinesa para procurar ajuda médica por sentir calafrios e tosse, tendo sido depois levado para o hospital de ambulância, de acordo com as autoridades de Saúde de Hong Kong, citadas pelo jornal South China Morning Post.

As mesmas fontes indicaram que as análises laboratoriais confirmaram na segunda-feira que o indivíduo estava infectado com gripe aviária, apesar de não ter estado em contacto directo com aves.

No hospital, o homem registou febre, tendo a sua situação clínica estabilizado. Mais de 50 funcionários da instituição de saúde onde foi atendido estão a ser monitorizados caso registem algum sintoma de gripe.

"Este caso não eleva muito o risco geral, mas é preocupante estarmos a observar recentemente vários subtipos de gripe aviária a infectar humanos de forma mais frequente", afirmou o microbiologista da Universidade de Hong Kong, Ho Pak-leung, citado pelo South China Morning Post. A transmissão entre humanos do vírus H9N2 ainda não foi provada.

Published in Mundo
Tagged under
quinta-feira, 26 dezembro 2013 10:48

Estudo - vacina antigripal é menos eficaz nos homens

[caption id="attachment_5137" align="alignleft" width="300"]vacina Já era sabido que os homens eram mais vulneráveis do que as mulheres a infecções bacterianas, virais ou parasitárias. Além do caso da gripe, a comunidade científica sabia que o sistema imunitário masculino não responde tão vigorosamente como o das mulheres às vacinas contra a febre-amarela, o sarampo e a hepatite[/caption]

Uma vacina antigripal é, geralmente, menos eficaz nos homens do que nas mulheres, um fenómeno aparentemente ligado aos níveis de testosterona (hormona masculina) que refreiam as reacções do sistema imunitário, revela um estudo publicado hoje nos EUA.

Já era sabido que os homens eram mais vulneráveis do que as mulheres a infecções bacterianas, virais ou parasitárias.

Além do caso da gripe, a comunidade científica sabia que o sistema imunitário masculino não responde tão vigorosamente como o das mulheres às vacinas contra a febre-amarela, o sarampo e a hepatite.

O novo estudo, publicado na edição semanal dos Anais da Academia de Ciências Norte-Americana, revela que as mulheres tiveram uma resposta dos seus anticorpos à vacina da gripe geralmente mais forte do que os homens.

Contudo, a reacção imunitária média dos homens com baixos níveis de testosterona foi mais ou menos similar à das mulheres, precisam os investigadores da Universidade Stanford, nos Estados Unidos, e do Instituto Nacional da Saúde e Investigação Médica, em França.

A investigação abrangeu 34 homens e 53 mulheres, mas não demonstra a relação directa entre a testosterona e a menor resposta imunitária.

Segundo Mark Davis, professor de imunologia da Universidade Stanford, o que parece é que a reacção do sistema imunitário é reduzida pela activação de um grupo de genes ligado ao nível elevado de testosterona.

Published in Medicamento
Tagged under

[caption id="attachment_4216" align="alignleft" width="300"]vacinagripe Até 19 de Dezembro tinham sido vacinadas gratuitamente 1,1 milhão de pessoas com 65 ou mais anos, abrangendo 62% da população portuguesa pertencente a este grupo etário, número que ultrapassa a meta que tinha sido estabelecida pela DGS.
A DGS tinha fixado o objectivo de vacinar 60% daqueles cidadãos[/caption]

Mais de um milhão de pessoas com mais de 65 anos foram vacinadas gratuitamente contra a gripe sazonal nos centros de saúde, segundo dados da Direcção-Geral da Saúde (DGS), hoje divulgados.

Até 19 de Dezembro tinham sido vacinadas gratuitamente 1,1 milhão de pessoas com 65 ou mais anos, abrangendo 62% da população portuguesa pertencente a este grupo etário, número que ultrapassa a meta que tinha sido estabelecida pela DGS.

A DGS tinha fixado o objectivo de vacinar 60% daqueles cidadãos.

Na época de gripe anterior (2012-2013) a cobertura vacinal antigripal foi de 45%, verificando-se, portanto, um acréscimo na época actual.

A DGS sublinha que estes números vêm interromper “a tendência decrescente que vinha sendo observada desde a época 2009-2010”.

O relatório do vacinómetro, divulgado hoje e que monitoriza em tempo real a taxa de cobertura da vacinação, indicava que até àquela data tinham sido vacinados perto de 1,5 milhões de portugueses com mais de 60 anos.

O mesmo relatório dava conta de que restringindo a taxa de cobertura apenas às pessoas com mais de 65 anos, tinham sido vacinados 1.260.216 portugueses.

Published in Atualidade
Tagged under

[caption id="attachment_5136" align="alignleft" width="300"]georgefrancisco “Foram enviadas orientações às administrações regionais de saúde (ARS) e a todos os CS no sentido de, em função das disponibilidades de cada unidade, poder ser alargada a vacinação gratuita sobretudo a doentes com indicação médica para fazer a protecção contra a gripe”, tal como já sucedeu no ano passado, afirmou o director-geral da Saúde, Francisco George[/caption]

A taxa de cobertura da vacinação contra a gripe é superior em 40% à registada em período homólogo do ano passado na população idosa, adiantou o director-geral da Saúde, Francisco George.

Indicando que a grande maioria das pessoas com mais de 65 anos já estarão vacinadas, o responsável da Direcção-Geral da Saúde (DGS) indicou que os centros de saúde (CS) poderão, a partir de agora, alargar as vacinas gratuitas também à restante população de risco, como os doentes crónicos.

“Foram enviadas orientações às administrações regionais de saúde (ARS) e a todos os CS no sentido de, em função das disponibilidades de cada unidade, poder ser alargada a vacinação gratuita sobretudo a doentes com indicação médica para fazer a protecção contra a gripe”, tal como já sucedeu no ano passado, afirmou o director-geral da Saúde.

Segundo Francisco George, este procedimento não é inovador e ocorre quando as autoridades começam a identificar uma descida da vacinação na população idosa, alargando a gratuitidade a quem mais precisa de ser imunizado. Aliás, o responsável está convicto de que a maioria dos idosos já foi vacinada, com a taxa de cobertura a ser superior em 40% à do ano passado na mesma altura para este grupo que tem vacinas gratuitas nos centros de saúde.

“Houve mais procura durante o mês de Outubro e durante as primeiras semanas do mês de Novembro”, indicou, acrescentando que ainda não há actividade gripal em Portugal.

Este ano, o Estado adquiriu cerca de 1,1 milhões de vacinas contra a gripe destinadas a serem administradas nos CS, a acrescentar às mais de 500 mil que foram distribuídas pelas farmácias para poderem ser compradas mediante receita médica.

Published in Medicamento
Pág. 21 de 21
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.