Jornal Médico Grande Público

Farmácias de Cascais já realizaram testes rápidos ao VIH/SIDA e hepatites
DATA
11/10/2018 10:58:34
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Farmácias de Cascais já realizaram testes rápidos ao VIH/SIDA e hepatites

Fármicias de Cascais assinalaram o primeiro dia da iniciativa de combate ao VIH/SIDA e aos vírus da hepatite, com a realização dos primeiros testes rápidos de rastreio.

De acordo com o diretor técnico de uma farmácia em Alcabideche, Pedro Rosa, até ao início da tarde de quarta-feira já tinham sido realizados “dois testes” a dois utentes que se deslocaram à farmácia.

Segundo o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, a privacidade dos utentes está “garantida em todo o circuito”.

“Em todo este circuito se o utente não se quiser identificar não se identifica, portanto pode fazer o teste sem ser necessário nunca dar os seus dados pessoais. Só se for reativo, aquando do contacto com a linha SNS 24 para marcar a consulta [hospitalar] aí é que tem de se identificar, mas todo este circuito é totalmente confidencial, anónimo, de forma que o utente não tenha nenhum constrangimento de vir fazer o teste a qualquer farmácia”, afirmou o responsável.

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde garantiu que os farmacêuticos têm, na formação que recebem para a realização destes testes, uma “grande área da formação” na área da psicologia.

“Uma das grandes áreas de formação dos farmacêuticos está relacionada com a informação pré e pós teste e, em caso de reatividade, não só o apoio psicológico, mas também a explicação. Um teste reativo não significa necessariamente um teste positivo e, portanto, há que explicar muito bem ao utente o que está aqui em causa e depois, naturalmente, orientá-lo através da linha SNS 24 para a instituição hospitalar onde vamos poder confirmar ou não o diagnóstico e depois segui-lo”, explicou.

O presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras destacou o facto de a iniciativa ter partido de uma associação do município.

“A iniciativa nasce de uma associação do concelho que teve o ensejo de financiar a aquisição dos testes e, nesse sentido, é positivo quando se juntam poderes locais, centrais, associações, enfim a sociedade em geral, para que os resultados sejam os melhores, como estamos certos que vão ser”, disse.

Lisboa e Porto serão as duas próximas cidades que vão passar a disponibilizar testes rápidos à população, seguidas de Almada, Amadora, Loures, Oeiras, Odivelas, Portimão e Sintra, municípios que assinaram, esta quarta-feira, o compromisso "via rápida para eliminar o VIH" até 2030.

Fernando Araújo lembrou, ainda, o compromisso do Governo que pretende, até ao final do ano, passar a disponibilizar testes que podem ser feitos em casa.

“Deverá ser publicada muito proximamente a legislação que nos vai permitir essa abertura, que atualmente estava vedada sob o ponto de vista legal, e esperamos cumprir com o que tínhamos prometido que é até ao final do ano os testes poderem ser realizados em casa, poderem ser vendidos nas farmácias comunitárias. Estamos muito focados nesse objetivo e temos a certeza que vamos conseguir, será uma alternativa diferente”, disse.

Saúde Pública

news events box

Mais lidas