Jornal Médico Grande Público

Eutanásia: Bastonário recusa alterar código deontológico dos médicos
DATA
22/05/2018 10:32:04
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Eutanásia: Bastonário recusa alterar código deontológico dos médicos

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) recusa-se a alterar o código deontológico caso a despenalização da eutanásia seja aprovada.

Foi durante o debate organizado pelo Conselho Nacional da OM, acerca das “decisões sobre o fim da vida”, que Miguel Guimarães respondeu à pergunta lançada pelo antigo bastonário, Germano de Sousa, relativamente às medidas que iria tomar em caso despenalização.

"Não vou mudar o código deontológico", afirmou Miguel Guimarães reforçando que, tão pouco, fará um "referendo interno para mudar um código que resulta de leis internacionais e que é um código de conduta profissional".

Apesar da resiliência demonstrada, o bastonário afirmou que se a “AR, ou em sede de referendo nacional, os portugueses decidirem que existe despenalização da eutanásia, obviamente que a função em termos disciplinares relativamente aos médicos acaba por resultar em nada", explicando que "ficam automaticamente despenalizados em função da lei do país".

Miguel Guimarães colocou em causa a legitimidade da AR para tomar uma decisão desta amplitude. "Não tendo, sequer, esta questão sido discutida amplamente, será que deveriam ser os deputados a decidir sobre questões de liberdades individuais dos portugueses?", perguntou o bastonário, lamentando que a decisão seja tomada "por pouco mais de 100 deputados", sublinhou.

O médico considerou que “não se pode argumentar honestamente, com o sofrimento quando não estão criadas as condições para acabar com o sofrimento”, reivindicando a melhoria dos cuidados paliativos que “chegam a uma percentagem muito pequena, entre 15% a 17% da população portuguesa”, bem como “maior acesso à Saúde”.

No final do debate que começou com um minuto de silêncio em memória de António Arnaut, o “pai” do SNS, que faleceu ontem em Coimbra, aos 82 anos, o bastonário recordou a obra do antigo deputado socialista, lembrando que o SNS “é hoje alvo de ameaças sérias”.

Para o bastonário, em Portugal, "as desigualdades sociais na Saúde são alarmantes", referindo que "só quem tem condições económicas tem acesso fácil".

Registe-se

news events box

Mais lidas